Entrevista com a professora Márcia Schmaltz

Márcia Schmaltz, de 34 anos, é professora, tradutora e intérprete especializada em chinês. Ainda criança, morou seis anos em Taiwan, em conseqüência do casamento da mãe com um taiwanês. Dessa época, diz lembrar-se da convivência familar e da organização da sociedade, muito diferente da brasileira. De volta ao Brasil, acabou graduando-se em Letras, em 2001. Logo se tornou especialista em chinês. Confira abaixo o breve bate-papo, por e-mail, com a professora gaúcha:

Quando e como decidiu se tornar professora de chinês e tradutora?
A minha trajetória definiu a minha decisão. Desde pequena sou apaixonada pela literatura, mas, até um determinado período da minha vida, não a via como uma paixão que poderia se tornar um meio de subsistência. No início queria ser jornalista e produtora de eventos, mas tudo que eu fazia, inclusive o ingresso ao curso de Letras, me levou a me tornar professora e tradutora de chinês; principalmente pela falta de pessoas com a devida qualificação. Em 2000, quando a maioria dos descendentes se voltava para fazer negócios com a China, centralizei os meus esforços no aperfeiçoamento lingüístico e pedagógico, indo fazer intercâmbio na Universidade Normal de Beijing e depois na Universidade de Língua e Cultura de Beijing.

Quais são as maiores dificuldades no aprendizado do chinês por brasileiros?
A maior dificuldade tange à fonética e à escrita.

Apesar do interesse crescente pela China, ainda há um número relativamente pequeno de cursos e professores de chinês no Brasil. Além disso, a qualidade desses cursos muitas vezes é decepcionante. Como saber quando se está no “caminho certo”?
Primeiro, averiguar a qualificação do professor, seja pela sua formação ou pelo tempo de experiência ou mesmo pedindo referência de seus alunos.

Além do domínio da língua e das qualificações profissionais, que qualidades você considera importantes para um brasileiro ser bem-sucedido na China?
Uma boa rede de relações aqui, na China ou em qualquer lugar é fundamental.

E nas áreas de ensino e tradução, há oportunidades para brasileiros que se disponham a se dedicar ao aprendizado da língua?
Sim, as oportunidades são muitas para aqueles que se aplicarem.

O que mais lhe interessa na produção cultural chinesa? Que filmes, livros e músicas indicaria para os brasileiros?
A literatura é a minha primeira paixão, seguida pelas músicas e filmes. No último período podemos encontrar uma variedade de livros de bom nível no mercado brasileiro. Em história sempre vale a pena ler um livro do Jonathan Spence, Em busca da China moderna, ou China: uma nova história, de John King Fairbank e Merle Goldman. Na área de ficção, foi lançado há pouco 50 fábulas da China fabulosa, com textos organizados e traduzidos por mim e por Sérgio Capparelli, que, além de ampliar o conhecimento sobre a cultura chinesa, é uma viagem literária em si.

21 opiniões sobre “Entrevista com a professora Márcia Schmaltz”

  1. É esse o q eu tô lendo agora, “China: uma nova história”.

    Mas vem cá, pq usar a grafia inglesa para Pequim? É tão legal falar Cantão ao invés de Guangzhou e Xangai ao invés de Shanghai.

  2. Se não me engano, Beijing é a grafia oficial e Pequim, Xangia e Cantão são em Português.

    A propósito, sabia que Beijing (ou Pequim) significa literalmente a Capital do Norte, em contrapartida a Nanjing, a Capital do Sul. Já Tóquio é a Capital do Leste.😉

  3. Li ontem o “50 fábulas da China fabulosa” e superou minhas expectativas. A versão bilíngüe é uma jóia para quem está estudando mandarim, pois não traz o pinyin e nos faz ampliar o vocabulário por esforço próprio.

  4. Oi, Marcia.
    Pode me orientar qual livro traduzido em português que posso comprar onde fale da cultura chinesa, como casamento chinês, por exemplo?

    Muito obrigada

    Telma

  5. Telma:
    Em “50 Fábulas da China Fabulosa”, “Os Analectos” (L&PM) e “O Pensamento Chinês” (Contraponto) você encontrará a visão dos chineses sobre o casamento.

    Quanto a grafia dos tão conhecidos Pequim, Xangai, Cantão, Amoy, etc. Penso que seja interessante a sua normatização por Beijing, Shanghai, Guangzhou, Xiamen, etc., pelo ponto de vista de unificação da pronúncia e facilitar a comunicação. Em pouco tempo já estaremos habituados.

  6. Caros Senhores,

    Somos uma Produtora de Vídeos Empresarias e Institucionais e estamos precisando de uma tradutora do mandarim para o inglês com conhecimentos de português, ou do mandarim para o portugês.

    Gostaríamos de obter contato com a professora Márcia Schmaltz, ou outro tradutor. Agradeceráimos muito se puderem nos fornecer alguns tradutores. Seus telefones, e-mails, etc!

    Grata,

    Bernardete.

    1. Bom dia:

      Sou professor, tradutor e intérprete de Chinês (mandarim), com português, inglês e espanhol. Atuação com dinamismo, boa dicção, total fluência e conhecimentos de gramática avançada, e facilidade no relacionamento interpessoal. Experiente em realização de traduções técnicas e especializadas. Abundante experiência em ministérios de reuniões com empresas asiáticas. Ótimos planejamentos de pesquisas de mercados exteriores com produtos determinados.
      Nascida em Taiwan, crescida em Paraguai, educada em Chile, e morando em Brasil, trabalho com viagens freqüentes entre Ásia e América, me há dado uma rica experiencia profissional e pessoal, obtendo um ponto de vista como um verdadeiro cidadão de planeta Terra, sentindo como a missão: melhorar a comunicação entre pessoas, empresas e países com domínio lingüísticos diferentes. E estou disposto a enfrentar novos desafios.

      E-mail: Stefany_shen@hotmail.com

  7. OLÁ
    PROF. MARCIA.
    ME CHAMO JOSE AFONSO,SOU PROF DE LETRAS,FALO MANDARIM, LEIO E ESCREVO.ACABEI DE CHEGAR DA CHINA ONDE ME ESPECIALIZEI EM LINGUA CHINESA,ESTOU DESEMPREGADO,PODERIA ME INDICAR A ONDE PROCURAR EMPREGO NA ÁREA .SEM AGRADEÇO J.A

  8. Bom Dia Marcia,

    Moro em Vitória, Espirito Santo, além de jornalista profissional sou diretor de Marketing de uma escola de idiomas e estamos necessitando de professores de chinês, dispostos a residirem no Espirito Santo. Pois bem, caso você possa nos ajudar, peço me encaminhar os interessados através do e-mail jornalistadobrasil@hotmail.com ou pelo celular 27- 98087364

  9. Olá, pessoal do Arquivo China!
    Agora estou lecionando português e tradução na Universidade de Macau. Caso queiram me contatar pordem mandar e-mail para: chinesa@chinaonline.com.br.
    Sugiro a todos a leitura de “Viver” que está para ser lançado pela Companhia das Letras em fim de maio de 2008.
    Um abraço,
    Márcia

  10. Janete!
    Parabns pela filha que tens. Nosso povo deve se orgulhar dessa brasileira que est fazendo sucesso na China. Ctia Cabrera

  11. Marcia, fiquei emocionada e muito orgulhosa pelo teu crescimento pessoal e, principalmente pelo reconhecimento profissional que ests tendo.
    Um grande beijo e que o sucesso continue sendo teu parceiro.
    Sandra Mara

  12. Marcia, fiquei emocionada e muito orgulhosa pelo teu crescimento pessoal e, principalmente pelo reconhecimento profissional que ests tendo.
    Um grande beijo e que o sucesso continue sendo teu parceiro.
    Sandra Mara

  13. Oi, Márcia!
    Quanto tempo! Fui tua colega no curso de letras, lembra?
    Fico feliz por saber que a minha colega está trabalhando em Macau. Parabéns pelo teu sucesso!
    Bjs e saudades,
    Mi

  14. Oi Márcia parabéns pelo teu sucesso que Deus te abençõe sempre, meu nome é Edilson marcos mas, pode me chamar de Marcos sou um grande admirador da área linguistica tenho uma grande fluência em inglês e futuramente se Deus quiser pretendo fazer letras. te conheci no google e fiquei sabendo um pouco de sua trajetória profissional.trabalho em uma empresa que faz importação da china,ás vezes é muito díficil nos comunicar com alguém da empresa que temos parceria pois raramente alguém fala inglês.envie seu msn para mim se for possivel,podíamos nos tornar grandes amigos. um abraço, Marcos.

  15. ola Marcia estou na escola fazendo um trabalho sobre vc e sua vida adoro seu livro 50 FÁBULAS DA CHINA FABULOSA com a participação de Sergio Capparelli.

  16. Escrevi um livro “Brasil Chinês” que trata da colonização pre-colombiana de nossos índios e onde digo que a América foi “descoberta” pelos chineses, mais precisamente p. monge budista Hui Shen no ano 449 d.C. Pena que não possa anexar mais informações. profwanke@hotmail.com

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s